Em noite histórica, Green Valley reuniu grandes nomes da música eletrônica no Green Festival
8 de Janeiro de 2018
0

O super clube recebeu apresentações de renome como Chemical Surf, Sam Feldt, Gabriel Boni, Fabrício Peçanha, Betoko, Vegas e Fábio Fusco.

O último sábado (06) foi memorável para quem passou pelo Green Valley. Em parceria com a House Mag, o clube mais premiado das Américas recebeu a terceira edição do Green Festival que contou com três pistas e uma infinidade de atrações. No line nomes como Sam Feldt, Chemical Surf, Gabriel Boni, Betoko, Fabrício Peçanha, Vegas e Fábio Fusgo. Confira o review desta noite inesquecível.

No palco principal, que já havia recebido Sisto, Raul Mendes, Ellie Klotz e Future Class, Chemical Surf fez uma apresentação marcante. O duo formado pelos irmãos Lucas e Hugo Sanches, colocou os greenlovers para dançar ao som do tech house. O holandês Sam Feldt, um dos artistas de música eletrônica mais requisitados nos últimos tempos, apresentou alguns dos seus principais sucessos como  “Show Me Love” e “Summer On You“ e levou o público ao delírio com um set de live saxofone. Ainda na Main Stage, o DJ e produtor Gabriel Boni, revelação no cenário eletrônico nacional e internacional, apresentou um set digno de uma noite célebre. Vinne completou o line-up do palco. Quem passou por lá pôde conferir também o novo layout do palco principal que contou com vários efeitos especiais que estreitaram a relação dos artistas com o público como sparkles e CO2, além de seis lasers, formando o cenário digno de um grande festival de música eletrônica.

Na Underline_, pista que reúne os nomes do universo underground da cena eletrônica, o DJ Betoko, mexicano radicado em Londres foi um dos headliners da noite. FractaLL, projeto do talentoso DJ e produtor brasileiro Lucian Castro, embalou a noite ao som de muito House e Techno. Já o duo Fancy Inc, fez a galera tirar o pé do chão com suas produções inspiradas no House Music, passando por House, Tech e Techno. Consolidado, Fabrício Peçanha mostrou repertório variado, inovador e inspirado. Não é à toa que já integrou a lista de melhores DJ’s do mundo pela DJ Mag.

Já na Lagoon, palco open air que reuniu os fãs das batidas do psytrance e suas vertentes, Mandragora, projeto de future progressive do mexicano com alma brasileira Eduardo Neto, conquistou o público com seu talento único,  personalidade e presença de palco contagiante. Paulo Vilela, a mente por trás do projeto Vegas, foi um dos headliners da Lagoon e agitou a noite com seu trance brasileiro que é tocado por grandes nomes do psytrance mundial. Já Fábio Fusco, gigante do trance progressivo vindo de Hamburgo, na Alemanha, trouxe para o Green Festival suas  faixas hipnóticas, potentes e inesquecíveis. Outro nome de peso que apresentou-se no Green Festival foi o Paranormal Atack, projeto que exalou sua profecia por meio de distorções de guitarra que viajaram do metal ao trance. A Lagoon teve ainda efeitos visuais de alto desempenho que chegavam a alcançar 10 metros de altura.

O Green Valley reabre suas portas para o público nos dias 10 e 12 de fevereiro com o Carnaval Circus 2018. O clube irá transformar-se novamente em um legítimo picadeiro a céu aberto com direito à decoração temática, cenografia, interações e performances especiais. No dia 10 quem comanda o Main Stage é o DJ Vintage Culture. Já no no dia 12, Steve Angello agita o circo eletrônico do Green Valley. Os ingressos antecipados já estão disponíveis e podem ser adquiridos no Ingresso Nacional. Já para reserva de mesas e camarotes, o contato é pelo reservas@gveventos.com.br.

Crédito das fotos:  Guma Miranda

Deixe uma resposta